MERCADO AGORA: Veja um sumário do comportamento dos negócios até o momento

Invista agora, com o Monitor Investimentos. Clique aqui e saiba mais!


São Paulo, 20 de outubro de 2021 - O presidente Jair Bolsonaro confirmou
que o governo federal pretende instituir um pagamento mensal de R$ 400 para a
camada mais pobre da população, mas descartou que os valores necessários para
estes pagamentos obrigarão o governo a desrespeitar o teto de gastos. A
declaração contribui para a alta do Ibovespa e a queda do dólar.

Mais cedo, o mercado já demonstrava certo apetite por risco reagindo à
notícia de que o governo federal teria desistido de anunciar ontem o novo
pagamento aos mais pobres porque os investidores reagiram mal à possibilidade
de rompimento do teto de gastos.

Enrico Cozzolino, analista da Levante Ideias Investimentos, comentou que o
mercado começa a se recuperar das tensões da véspera, mas enfatizou que Bolsa
está barata e estagnada entre 108 e 112 mil pontos por conta dos riscos
fiscais.

"Enquanto não houver uma definição de quanto será o auxílio
emergencial e como adequar dentro do teto de gastos
precatórios sem romper a regra e ver o encaminhamento das reformas,
principalmente do Imposto de Renda, vamos ver a pontuação do Ibovespa de 108,
110, 112 mil pontos sem um trigger adicional".

Guilherme Rebouças, da OBB Capital, ressalta que no mercado de juros os
investidores ainda não estão convencidos do compromisso recém-anunciado por
Bolsonaro de aumentar o valor do programa e, ainda assim, respeitar o teto de
gastos.

"O novo Bolsa Família, inicialmente previsto em R$ 300, cabia no
Orçamento. A notícia relativamente inesperada é que o valor agora veio com
furo no Teto de
Gastos. A sinalização é que abriu a temporada de furar teto e
populismo".

O mercado não esboçou reação à apresentação do relatório do senador
Renan Calheiros (MDB-AL) à CPI da Pandemia. No documento, ele enquadra o
presidente Jair Bolsonaro como o maior responsável por erros e omissões do
governo federal no combate à covid-19.

Os investidores aguardam agora a votação da comissão especial da Câmara
dos Deputados a respeito da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) dos
Precatórios - que abre espaço fiscal no orçamento de 2022 para ampliar o
Bolsa Família, às 14h, e os dados sobre a economia dos Estados Unidos contidos
no Livro Bege do Federal Reserve, o banco central do país, com divulgação
prevista para 15h.

Veja como estava o mercado por volta das 13h30 (de Brasília):

IBOVESPA: 111.121 pontos (+0,40%)
DÓLAR À VISTA: R$ 5,5520 (-0,76%)
DÓLAR FUTURO (NOV): R$ 5.560,00 (-0,67%)
DI JAN 2022: 7,630% (+0,56 pp)
DI JAN 2023: 9,93% (+0,90 pp)
DI JAN 2025: 10,96% (+0,70 pp)

Gustavo Nicoletta / Agência CMA (g.nicoletta@cma.com.br)

Copyright 2021 - Grupo CMA

Widget: 15:

Receba nosso boletim