beforeContent_c1:
Widget: 37:

SENADO: CPI da covid começará a definir quem será investigado, diz relator

Invista agora, com o Monitor Investimentos. Clique aqui e saiba mais!


São Paulo, 11 de junho de 2021 - A Comissão Parlamentar de Inquérito
(CPI) do Senado que investiga erros e omissões do governo no combate à
pandemia de covid-19 vai começar a apontar as pessoas que efetivamente serão
investigadas pelo colegiado, afirmou o relator Renan Calheiros (MDB-AL).

"Eu queria aproveitar a oportunidade para comunicar que estamos ultimando
estudos para evoluirmos de fase na investigação. A partir de agora, com
relação a algumas pessoas que por aqui já passaram, vamos tirá-las da
condição de testemunhas e colocá-las definitivamente na condição de
investigados, para demonstrar a fase seguinte do aprofundamento na nossa
investigação", disse ele.

A CPI da pandemia realizou até agora 19 sessões, em que foram ouvidos, na
condição de testemunhas, todos os que comandaram o Ministério da Saúde
durante o governo do presidente Jair Bolsonaro - Henrique Mandetta, Nelson
Teich, Eduardo Pazuello e Marcelo Queiroga-, além de outros integrantes e
ex-integrantes do governo federal.

Na lista, estão o ex-secretário de Comunicação Social da Presidência
Fabio Wajngarten, o ex-ministro das Relações Exteriores Ernesto Araújo, o
ex-secretário-executivo do Ministério da Saúde Antônio Elcio Franco Filho, a
secretária de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde, Mayra Pinheiro, e
a médica Luana Araújo, que chegou a se anunciada como secretária de combate
à covid-19, mas saiu do governo antes mesmo de ser oficializada no cargo.

Também foram ouvidos o diretor da Agência Nacional de Vigilância
Sanitária (Anvisa), Antonio Barra Torres, o gerente geral da Pfizer na América
Latina, Carlos Murillo, o diretor do Instituto Butantan, Dimas Tadeu Covas, a
médica oncologista e imunologista Nise Yamaguchi.

O governador do Amazonas, Wilson Lima (PSC), chegou a ser convocado, mas
faltou à audiência após ser liberado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) de
prestar depoimento, sob o argumento de que já está sendo acusado pela
Procuradoria-Geral da República (PGR) de crimes relacionados aos assuntos
investigados pela CPI e não é obrigado a gerar provas contra si mesmo.

Gustavo Nicoletta / Agência CMA (g.nicoletta@cma.com.br)

Copyright 2021 - Grupo CMA

content:
afterContent:
sidebar:
Widget: 38:
Widget: 15:

Receba nosso boletim

Widget: 104: