beforeContent_c1:
Widget: 37:

MERCADO AGORA: Veja um sumário do comportamento dos negócios até o momento

Invista agora, com o Monitor Investimentos. Clique aqui e saiba mais!


São Paulo, 5 de agosto de 2021 - O Ibovespa tem sessão de otimismo puxado
pelas ações da Petrobras, após o balanço da véspera apontar lucro acima das
estimativas do mercado e antecipação de pagamento de dividendos aos
acionistas. Somado a isso, o movimento no exterior também é positivo.

Por volta das 13h30 (horário de Brasília), o Ibovespa operava em alta de
0,37%, aos 122.258,97 pontos. O volume financeiro do mercado era de
aproximadamente R$ 21,2 bilhões. No mercado futuro, o contrato de Ibovespa com
vencimento em agosto de 2021 apresentava avanço de 0,31%, aos 122.400 pontos.

O analista José Costa Gonçalves, da Codepe Corretora, afirmou que o
resultado da Petrobrás "surpreendeu pq ninguém acertou o lucro e
principalmente a distribuição de dividendos" e ressaltou que a "Bolsa não
sobe mais devido à queda das ações da Vale". A mineradora tem peso de 12,4%
na composição da carteira teórica do índice. Os papéis da vale (VALE3)
caíam 3%.

Gonçalves comentou que as compras de Petrobras chamaram sua atenção. Até
meio-dia, o JP Morgan comprou quase 20 milhões de ações e o Merry Lynch 6,5
milhões de papéis. "Essas compras vão impulsionar os negócios na Bolsa e o
volume deve ser mais de R$ 35 bilhões".

As ações da Petrobras (PETR3 e PETR4) subiam 10,67% e 9,09%, mas chegaram
a subir mais de 11%, são consideradas de maior destaque no pregão de hoje e a
PETR4 é a mais negociada.

O analista da Codepe Corretora comentou que as empresas vão distribuir
"gordos dividendos para não pagarem impostos. Ele afirmou ainda que "não
seria surpresa se a Vale acrescentar uma distribuição extraordinária de
dividendos". Para setembro está projetado um pagamento aos acionistas de US$ 5
bilhões .

Gonçalves comentou que os bancos sobem na esteira da elevação da taxa de
juros (Selic) em 1 ponto porcentual, passando de 4,25% para 5,25%. Bradesco
(BBDC 3 BBDC4) tiveram expressiva alta e operavam em sentido misto. Itaú
(ITUB4) avançavam 1,27%.

Para Rodrigo Friedrich, sócio da Renova Invest, o destaque da sessão de
hoje será a Petrobras e a Bolsa pode se recuperar das recentes perdas, no
entanto enfatizou que "a euforia do mercado pode ser um pouco ofuscada pelo
comunicado do Copom afirmou subir mais a taxa de juros e chegar até o final do
ano acima de 7%".

Friedrich comentou que essa sinalização da autoridade monetária "faz com
que o investidor tome menos risco e poderá voltar a fazer migração para
renda fixa, mas não significa que a Bolsa cai". O sócio da Renova Invest
aposta em uma alta para o Ibovespa.

Os analistas da Ajax Capital acreditam em uma recuperação para o mercado
acionário com "um ambiente externo favorável e safra de balanços positivas
podem favorecer ativos de risco local".

A Petrobras registrou lucro líquido de R$ 42,86 bilhões no segundo
trimestre. A receita líquida foi de R$ 110,71 bilhões e ebtida (lucro antes de
juros, impostos, depreciações e amortizações) de R$ 62,9 bilhões. A
empresa aprovou pagamento de R$ 31,6 bilhões em dividendos e juros sobre o
capital próprio. Ontem , no after market, os ADRs chegaram a disparar 14%,
comentou.

Uma fonte que não quis se identificar comentou que ações preferenciais da
Raizen (RAIZ4), que tiveram estreia hoje na B3, não foram bem recebidas pelo
mercado apesar de ter o maior IPO do ano. "Os investidores gostam de papéis do
novo mercado, as ações ordinárias", afirmou a fonte.

Mantendo o ritmo predominante desta manhã, o dólar teve uma manhã de
queda. Turbinado pelo aumento na taxa básica de juros (Selic) em 1 ponto
percentual (pp) e boas notícias como a divulgação do balanço da Petrobras
ter ficado acima do esperado, a moeda norte-americana continua em baixa.

Por volta das 13h30, o dólar comercial registrava ligeira queda de 0,01%,
negociado a R$ 5,1870 para venda. No mercado futuro, o contrato da moeda
norte-americana com vencimento em agosto de 2021 apresentava avanço de 0,34%,
cotado a R$ 5,205.

Para o economista e CEO da Veedha Investimentos, Rodrigo Tonon Marcatti, "a
gente estava com um diferencial de juros muito baixo e o comunicado de ontem,
em um tom mais hawkish, contribui para a valorização do real".

Além da Selic, outros fatores ajudam nessa valorização: "O balanço da
Petrobras veio muito forte, além da temporada de IPOs", destaca Marcatti. O
economista ressalta, porém, que frente a outras moedas emergentes, como o peso
mexicano, o real ainda está muito desvalorizado.

Segundo o Rabobank, o fato de o Copom ter avisado que em setembro haverá um
novo aumento de 1 ponto porcentual na Selic e descartar, ao menos por enquanto,
a hipótese de terminar o ciclo de alta quando a taxa básica de juros atingir
um nível neutro "deve trazer força no curto prazo para o real".

"Com o ritmo atual de vacinação no Brasil e as pressões e riscos
inflacionárias recentes, continuamos vendo a Selic chegar a 7,00% até o final
de 2021 e [ficar neste nível] até o final de 2022."

Em boletim matinal da Correparti, Jefferson Rugik disse que a decisão do
Copom "deixou claro que vem outro ajuste da mesma magnitude na próxima
reunião" e que isso ajuda a valorizar o real.

As taxas dos contratos de juros futuros (DIs) operam em alta, com os
investidores reagindo à decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) do
Banco Central (BC) de manter o ritmo de aperto monetário em 100 pontos-base,
elevando a taxa Selic em 5,25%. Os participantes do mercado ajustam suas
posições à sinalização do Copom de que o ritmo de elevação da taxa
básica de juro será mantido na reunião de setembro, com o objetivo de ancorar
as expectativas inflacionárias para 2022.

Por volta das 13h30, o DI para janeiro de 2022 apresentava taxa de 6,46%, de
6,37% no ajuste anterior
7,93
de 2027 tinha taxa de 9,34%, de 9,11%, na mesma comparação.

Copyright 2021 - Grupo CMA

content:
afterContent:
sidebar:
Widget: 15:

Receba nosso boletim

Widget: 104: