EUA: País revê política comercial com China, diz representante comercial

Invista agora, com o Monitor Investimentos. Clique aqui e saiba mais!


São Paulo, 25 de agosto de 2021 - O governo dos Estados Unidos está
revisando sua política comercial com relação à China, disse a representante
de comércio norte-americana, Katherine Tai, destacando seu compromisso em
abordar práticas desleais e não mercantis de Pequim.

Tai disse que "a administração Biden-Harris e o Escritório do
Representante Comercial estão conduzindo uma revisão abrangente da política
comercial dos EUA-China", segundo comunicado divulgado após uma reunião
virtual com o Conselho Consultivo do Centro da China da Câmara de Comércio dos
Estados Unidos e com a liderança do Conselho de Negócios EUA-China.

A representante comercial reconheceu a importância da relação comercial
entre os dois países e reiterou seu compromisso "em abordar as políticas
comerciais desleais da China e as práticas não mercantis que prejudicam as
empresas e trabalhadores norte-americanos".

Tai disse ainda que é necessária uma avaliação estratégica completa
para elaborar uma política comercial resiliente que apoie a criação de
empregos e aumente salários norte-americanos.

Por fim, ela destacou o foco do governo "em fazer investimentos históricos
para fortalecer a economia e reconstruir as relações com os principais
aliados e parceiros".

No final de maio, Tai, falou sobre questões comerciais com o vice-premiê
chinês Liu He, discutindo os princípios orientadores do governo sobre
política comercial.

Antes disso, autoridades dos dois países se reuniram no Alasca em março,
em um encontro tenso. O secretário de Estado norte-americano, Antony Blinken,
acusou a China de ameaçar a ordem global baseada em regras ao coagir outros
países e de violar direitos humanos.

Segundo o acordo comercial da fase um firmado sob a administração do
ex-presidente norte-americano Donald Trump, os dois lados devem realizar uma
revisão formal. Como parte do acordo, Pequim se comprometeu a aumentar
drasticamente as compras de produtos norte-americanos.

Cristiana Euclydes / Agência CMA

Copyright 2021 - Grupo CMA

Widget: 15:

Receba nosso boletim