beforeContent_c1:
Widget: 53:
Widget: 37:

Aconteceu hoje: As principais notícias publicadas nesta 4ª-feira


MERCADO

O Ibovespa fechou em queda, descolando-se da leve alta registrada em Nova
York, em um dia no qual o vencimento de opções sobre o índice provocou
volatilidade. Mais cedo, a bolsa já era afetada pela cautela dos investidores
em relação ao processo de impeachment movido contra o presidente em fim de
mandato dos EUA, Donald Trump. Com isso, o Ibovespa fechou em queda de 1,66%,
aos 121.933,08 pontos, mas consideravelmente acima da mínima intraday de
121.015,60 pontos.

Os principais índices do mercado de ações dos Estados Unidos fecharam em
alta, apoiados pelo avanço do setor de tecnologia. A exceção foi o Dow Jones,
que terminou o dia perto da estabilidade, com leve variação negativa, em meio
à instabilidade política e ao aumento de casos de covid-19 no país. O Dow
Jones caiu 0,03%, para 31.060,47 pontos, o Nasdaq Composto subiu 0,43%, para
13.129,00 pontos e o S&P 500 teve alta de 0,22%, para 3.809,84 pontos.

O dólar comercial fechou em queda de 0,20% no mercado à vista, cotado a R$
5,3110 para venda, em sessão de forte volatilidade com o dólar ensaiando
correção após a forte queda ontem no mercado doméstico e global, porém,
calibrando a alta recente da moeda ante o real, que levou aos níveis de R$
5,50.

As taxas dos contratos de juros futuros (DIs) encerraram a sessão em alta,
mantendo a trajetória exibida desde a abertura do pregão, apesar da queda
exibida pelo dólar, com a curva a termo recompondo prêmios, após corrigir
ontem parte dos ganhos anteriores, esvaziando à reação aos dados de
inflação. Os investidores calibraram as expectativas em relação a Selic, às
vésperas da reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), após a
divulgação de mais um indicador doméstico hoje, desta vez sobre a atividade.

Ao final da sessão regular, o DI para janeiro de 2022 ficou com taxa de
3,255%, de 3,15% no ajuste anterior
projetando taxa de 5,035%, de 4,81% após o ajuste ontem
2025 encerrou em 6,60%, de 6,37%
7,28%, de 7,11%, na mesma comparação. No mercado de câmbio, o dólar à vista
caía 0,50%, cotado a R$ 5,29050, em meio a uma sessão volátil.

PRINCIPAIS NOTICIAS

BRASIL

MOODY'S: Demora em vacinação contra covid seria negativo para Brasil

O atraso ou a demora no início da vacinação contra a covid-19 no Brasil
seria negativo para a perspectiva econômica e de crédito do país, afirmou
Samar Maziad, analista sênior da agência de classificação de risco Moody's,
durante uma teleconferência.

BC: Fluxo cambial fica positivo em US$ 1,309 bilhão em janeiro até dia 08

O saldo entre a entrada e a saída de dólares no País ficou positiva em
US$ 1,309 bilhão em janeiro até o dia 08, resultado superávit comercial de
US$ 53 milhões e de fluxo financeiro positivo em US$ 1,256 bilhão, segundo
dados divulgados pelo Banco Central (BC).

CNC: Projeção de recuo no volume de receitas em serviços sobe p/ 8% em
2020

A Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC)
aumentou para 8% a projeção de recuo no volume de receitas dos serviços em
2020, em função do ritmo lento de reação do setor. A previsão anterior era
de recuo de 7,6%.

FENABRAVE: Entidade vê fechamento de lojas e demissões com alta do ICMS

A Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores
(Fenabrave) se aliou a outras entidades do setor de veículos para pedir ao
governo do Estado de São Paulo que desista de elevar a alíquota do Imposto
sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) a partir do dia da próxima
sexta-feira (15), o que alegam que levará ao aumento de preços,
informalidade, fechamento de lojas e demissões, depois de impactos negativos
já sofridos com a pandemia de coronavírus.

BANCO DO BRASIL: Ação cai quase 5% com possível demissão de presidente

As ações do Banco do Brasil (BBAS3) fecharam o pregão em queda de 4,93%,
a R$ 37,55, ficando entre as maiores baixas do Ibovespa, depois que uma
reportagem da revista "Veja" apontou que o presidente do banco, André
Brandão, deve deixar o cargo. Perto do fim da sessão, os papéis chegaram a
cair mais de 5%, a R$ 37,24 na mínima do dia.

MUNDO

EUA: Câmara aprova impeachment de Trump com apoio de republicanos

A Câmara dos Deputados dos Estados aprovou o impeachment do presidente
norte-americano, Donald Trump, com 232 votos favoráveis e 197 votos contra e
quatro abstenções. O processo segue agora para o Senado, onde a votação
ainda é incerta.

EUA: Orçamento do Tesouro tem déficit de US$ 143 bilhões em dezembro

O Tesouro dos Estados Unidos teve um déficit nominal de US$ 143,562
bilhões em dezembro, segundo dados do governo. Em novembro, houve saldo
negativo de US$ 145,266 bilhões, enquanto em dezembro de 2019 houve déficit de
US$ 13,286 bilhões.

LIVRO BEGE: Perspectiva de vacinas ajudou a manter otimismo em 2021

A perspectiva de vacinas contra a covid-19 reforçou o otimismo para o
crescimento econômico dos Estados Unidos em 2021, embora tenha sido moderado
pela preocupação com o recente ressurgimento de casos e as implicações para
as condições de negócios de curto prazo, segundo o Livro Bege, relatório do
Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) sobre as 12 principais
regiões do país.

CORONAVIRUS: Bloqueio está começando a ter efeito no Reino Unido - Johnson


O primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, disse que as medidas
restritivas adotadas no país para conter a propagação do novo coronavírus
estão dando sinais de estarem funcionando, e que vacinas estarão disponíveis
durante 24 horas tão cedo quanto possível.

ITALIA: Governo entra em crise após Renzi retirar apoio de coalizão

O líder do partido Italia Viva, que integra a coligação governista da
Itália, Matteo Renzi, declarou que duas ministras e um vice-ministro,
pertencentes à sua formação política, vão apresentar as suas demissões. As
informações são da agência de notícias "Sputnik".

Copyright 2021 - Grupo CMA

content:
afterContent:
comments:
Widget: 61:
sidebar:
Widget: 24:
Widget: 39:
Widget: 38:
Widget: 15:

Receba nosso boletim

Widget: 58:
Widget: 59: