beforeContent_c1:
Widget: 37:
real dinheiro selic imagem destaque piqsels

Mercado firma aposta em Selic a 7% em 2021 após Copom

Invista agora, com o Monitor Investimentos. Clique aqui e saiba mais!

A austeridade do Comitê de Política Monetária (Copom) em sua decisão mais recente fez com que os especialistas do mercado firmassem suas apostas para o nível da taxa básica de juros, a Selic, ao fim de 2021 - a previsão é de que a taxa termine este ano em 7% ou mais. 

O Copom decidiu ontem elevar a Selic de 4,25% para 5,25% ao ano, sinalizar um aumento de mais 1 ponto porcentual em setembro e descartar a hipótese de terminar o ciclo de alta quando a taxa básica de juros atingir um nível neutro - agora, o grupo prevê que ela vai parar de subir quando estiver num nível "acima do neutro".

O nível neutro, segundo as autoridades do Banco Central (BC), pode ser entendido como uma taxa 3 pontos porcentuais (pp) acima da inflação. Se fosse considerada a inflação atual, de 8,35% nos 12 meses até junho, a Selic precisaria estar em 11,35% para ser considerada neutra. 

No entanto, existe o que o Copom considera o "horizonte relevante" para a inflação - um período de aproximadamente 18 meses à frente -, o que na prática significa que o grupo está mais preocupado com os níveis de inflação em 2022 do que em 2021. Para o ano que vem, o mercado estima que a inflação atingirá 3,88% - e neste caso, a taxa neutra de juros seria de 6,88%.

A chefe de economia da Rico Investimentos, Rachel de Sá, apontou que o cenário econômico atual está elevando a preocupação de que a inflação termine este ano muito acima do centro da meta - de 3,75% -, e que a mensagem de juros mais altos adiante serve para evitar uma piora das expectativas de inflação em 2022.

"Diante da postura mais dura do Banco Central sobre o comprometimento de ancorar as expectativas e levar a inflação à meta no ano que vem, entendemos que a Selic deve seguir em elevação até atingir 7,25% ao ano em dezembro", disse ela. O ritmo da alta seguiria em 1 pp em setembro, e diminuiria para 0,5 pp nas duas reuniões seguintes, em outubro e em dezembro. 

A sócia-fundadora do escritório de investimentos AVG Capital, Andressa Bergamo, acredita que a Selic possa chegar a 7,5% até o final de 2021, permanecendo neste nível ao longo do ano que vem, e que esta perspectiva pode, no curto prazo, influenciar o mercado de renda fixa. 

"Esperamos que os títulos prefixados e indexados à inflação de longo prazo apresentem uma valorização em um primeiro momento, com redução nas taxas dos títulos. Já para os títulos de curto prazo, a elevação da Selic resultará em desvalorização. Mas isso não é ruim, pois - para quem busca alocação em títulos de curto prazo neste indexadores - haverá uma boa oportunidade de compra desses ativos neste momento", afirmou. 

O Bank of America (BofA) reiterou sua previsão anterior, de que a Selic terminará o ano em 7% - com altas de 1,00 pp, 0,5 pp e 0,25 pp nas próximas três reuniões, respectivamente. O Rabobank também aposta em Selic a 7% no final deste ano, e manutenção da taxa neste nível em 2022. 

PERSPECTIVA ECONÔMICA

O objetivo da decisão do Copom é conter o avanço da inflação no setor de serviços durante o processo de reabertura da economia, segundo José Márcio Camargo, economista-chefe da Genial Investimentos. 

"O ponto mais importante foi o anúncio de que neste momento o copom avalia que o mais provável é que a Selic terá que caminhar para um nível acima do neutro, ao contrário do que vinha sendo dito até agora", disse ele, acrescentando que a alta da taxa básica de juros acontece, na visão do colegiado, num momento em que a economia está com crescimento bastante robusto e em que houve piora nos componentes inerciais da inflação devido à retomada das atividades econômicas.

"Fundamentalmente o problema é que a composição da taxa de inflação está mudando numa direção desfavorável, com o aumento de uma taxa da inflação de serviços e pequena queda na taxa de inflação de outros bens industriais. Neste sentido, o Copom no comunicado chama a atenção para o fato de que vai ser preciso promover um ajuste na política monetária de tal forma a que reduza na margem o crescimento da economia no futuro", acrescentou. 

A postura mais austera do Copom visa a manter ancorada a expectativa de inflação em 2022, segundo o economista-chefe da Órama, Alexandre Espirito Santo. "O movimento mais incisivo é adequado a nosso ver e tem por objetivo não deixar as expectativas de inflação desancoradas para 2022, uma vez que, para 2021, não há muito mais a fazer", afirmou. 

"A sinalização de continuidade do processo para a próxima reunião, com elevação de mesma magnitude, também nos parece prudente, ensejando que o ajuste, outrora parcial, será feito de forma mais célere, provavelmente até o fim do ano", afirmou.

A meta de inflação para 2021 é de 3,75%, com limite de tolerância em 5,25%, mas o mercado espera que a taxa termine este ano em 6,87%, segundo a edição mais recente do boletim Focus, divulgado pelo Banco Central. Para 2022, a meta de inflação é de 3,50%, e a previsão atual do mercado é de que a inflação ao final do ano que vem esteja em 3,88% - taxa próxima da meta, porém maior que a prevista há um mês, de 3,77%. 

Ele acrescentou que as fortes pressões inflacionárias recentes, decorrentes particularmente da crise hídrica - que levou a um aumento nos preços da energia elétrica - e da onda de frio em parte do país - que deve afetar os preços dos alimentos no curto prazo - "recomendavam uma atuação mais firme da autoridade monetária".

 

Gustavo Nicoletta / Agência CMA (g.nicoletta@cma.com.br)
Copyright 2021 - Grupo CMA
Imagem em destaque: Piqsels.com

content:
afterContent:
comments:
Widget: 61:
sidebar:
Widget: 24:
Widget: 39:
Widget: 15:

Receba nosso boletim

Widget: 104: