beforeContent_c1:
Widget: 37:
carne imagem destaque piqsels

Minerva vê mercado para exportação atrativo e melhora interna

Invista agora, com o Monitor Investimentos. Clique aqui e saiba mais!

Apesar de os preços de proteínas terem subido em função da elevação de preços de grãos, a Minerva está otimista com a demanda para exportação, principalmente na Ásia, e vê uma melhora do mercado interno, com aumento do consumo do segmento "food service" após redução de restrições em função da pandemia.

Segundo o diretor-presidente da Minerva, Fernando Galletti de Queiroz, os preços de grãos impactam as proteínas em geral já que os mercado estão cada vez mais inter-relacionados, porém, essa elevação prejudica também a produção de gado confinado nos Estados Unidos e há uma forte queda da produção na Austrália, o que faz com que os mercados onde a Minerva está presente na América do Sul levem vantagem competitiva. 

Queiroz ainda disse que, agora, a previsão é que os preços da arroba do boi devem ficar estáveis até o fim do ano. 

"Isso só reforça nossa tese de que estamos bem posicionados na maior plataforma de produção. A Austrália está tendo uma crise bastante grande, a produção caiu mais de 30% lá, e a América do Sul está ocupando espaço de concorrentes. Também houve novas aberturas de mercados", disse em teleconferência de analistas sobre os resultados. 

No mercado doméstico, afirmou que o fim de restrições está ajudando e também têm visto maior demanda da indústria por processados e potencial para o consumo de cortes mais nobres. 

Na Argentina, o executivo destacou que a política da companhia também é voltada para a exportação e está indo bem mesmo com mudanças e restrições impostas pelo governo, o que avaliam que terá impacto positivo ao levar a uma formalização maior do setor no país. 

"Nós aproveitamos a imagem positiva que a carne argentina tem no exterior, somos muito bem colocados dentro da exportação do país e fomos capazes de reagir e mitigar parte das restrições. Também vemos de forma muito positiva a formalização cada vez maior, com regras mais iguais para todos os players", afirmou.

Já questionado sobre a demanda chinesa e sobre possíveis mudanças no processo de habilitação de novas plantas para exportação para o país, o presidente da Minerva disse que não viu nenhuma mudança até o momento e que a expectativa é de novas autorizações. 

"Falando com o governo brasileiro, os processos parecem normais, então, devemos sim ter novas habilitações de plantas para a China e não só no Brasil, mas no Uruguai e outros países da América do Sul", disse. 

DIVIDENDOS E DIVIDA 

Com o cenário se mantendo favorável como o previsto, a Minerva espera distribuir no mínimo 50% do seus lucro líquido em dividendos este ano, de acordo com o previsto na sua política de pagamento de dividendos. 

A companhia também espera reduzir a sua alavancagem para que ocorra esse movimento, que deve chegar a 3,5 vezes o ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ou menos, além de afirmar que a sua dívida bruta deve cair entre R$ 1 e R$ 1,5 bilhão. "Alongamos nossa dívida e colocamos mais dinheiro no caixa para pagar as dívidas mais curtas, o caixa deve cair para entre R$ 4 e R$ 5 bilhões para contribuir para diminuir a dívida bruta", explicou.

Questionada sobre a alocação de capital, a companhia reiterou a prioridade de distribuir dividendos, mas disse que segue atenta a oportunidades. 

"O principal objetivo tem sido devolver dinheiro para os acionistas para pagamento de dividendos, mas estamos abertos a boas oportunidades de fusões e aquisições, fizemos uma aquisição pontual e estamos bastante atentos, mas qualquer passo vai ser no sentido de não piorar a nossa estrutura de capital", disse.


Danielle Fonseca / Agência CMA
Copyright 2021 - Grupo CMA
Imagem em destaque: Piqsels.com

content:
afterContent:
comments:
Widget: 61:
sidebar:
Widget: 24:

BEEF3 - ON - MINERVA

CNPJ: 67.620.377/0001-14
  • Preço: R$ 8,50
  • Vari.mês: -2,1%
  • Preço médio: R$ 8,49
Widget: 39:
Widget: 15:

Receba nosso boletim

Widget: 104: